De Viseu para o Mundo admin Dezembro 29, 2021
hello
de Viseu para o mundo.
O ano que passou, 2021, foi muito desafiante tanto para as empresas como para as pessoas. Raquel Matos, a fundadora da incommun, decidiu partilhar uma pequena retrospetiva através de uma entrevista, do que foi 2021, deixando um sabor do que serão os próximos anos:

De que maneira descreverias 2021 para a incommun?

O segundo ano de existência por si só traz desafios inerentes ao próprio negócio. E, apesar da situação pandémica, 2021 foi muito generoso para a incommun. Foi um ano de superação de objetivos e, acima de tudo, de dores de crescimento (elas fazem parte do processo!).
Sinto, a cada dia que passa, que o nosso propósito enquanto agência – Cultivar a essência do marketing dentro do coração de cada marca – é, cada vez mais, um elemento diferenciador no mercado e que nos garante uma maior confiança por parte de todos os clientes que têm algo incommun.

Qual foi a frase que representa 2021?
“Sozinhos vamos mais rápido, mas juntos vamos mais longe” é talvez a expressão que mais utilizei na incommun ao longo deste ano. Aumentámos a equipa, trouxemos mais experiência e sabedoria, não só para a empresa, mas para todo o leque de clientes.

Quais foram os maiores desafios ao longo de 2021?
É inevitável falar sobre a importância de remar no mesmo sentido e, sem dúvida, que a parte mais desafiante, enquanto fundadora da incommun, é a liderança da equipa e a gestão de todo o stress in loco.
Em retrospetiva, sinto que tenho feito um bom trabalho nesse sentido. Os elementos que constituem a equipa vestem a camisola amarela e transpiram dinamismo e dedicação. Esse é o ponto mais forte da incommun, o à-vontade e a confiança que despertamos nos clientes.
Levámos a incommun além-fronteiras, deixámos a nossa pegada em muitas marcas (e continuamos a deixar) e isso, sem dúvida alguma, é trabalho de uma equipa que sente amor pelo que faz.
Há ainda a situação pandémica que persiste e que cultiva algum receio em alguns setores, o que inerentemente, afeta o próprio negócio da incommun: o mercado fechou por duas vezes, a economia sofreu e os clientes receiam.
Apesar de toda a situação, a nossa missão de agregar valores às marcas e aos negócios dos nossos clientes mantém-se.
A transparência com que fomentamos os nossos serviços permitiu, ao longo de 2021, ultrapassar todo esse desafio constante. Foi um ano de aprendizagens e de desafios, desafios superados!

E as melhores recompensas?
A confiança dos nossos clientes que dia, após dia, aumenta em prol da relação com cada um deles, mas também, fruto dos resultados conseguidos para todas as marcas, de forma individual.
A nossa melhor recompensa será sempre a melhor recompensa dos nossos clientes: o sucesso das suas marcas.

Alcançaste todos os objetivos que tinhas previstos para a incommun?
Sem dúvida! Como ser humano, queremos sempre mais e melhor, mas sei que 2021 foi o ano que trouxe a melhor versão de mim, enquanto fundadora e CEO da incommun, e enquanto colega de trabalho.
A minha melhor versão na capacidade de gestão de clientes, que os considero como amigos, e a minha melhor versão enquanto líder de uma equipa que tenho muito orgulho.

Que coisas queres que 2022 traga para a incommun?
Em 2022, o nosso caminho continuará a ser o que traçamos em 2019, quando abrimos portas. Obviamente mais ambiciosos, mais fortes e mais experientes no que fazemos.
A incommun é feita por pessoas, pessoas que acreditam e que nasceram para a estratégia e para o digital. E queremos cativar, cada vez mais pessoas – clientes – que confiam e que sentem os resultados que a incommun traz para cada uma das suas marcas.

Como imaginas a empresa daqui a 5 anos?
Imagino muitas vezes a incommun daqui a 3, 4, 5, 20 anos e tenho a certeza de que estaremos num patamar muito gratificante, fruto de toda a nossa dedicação e trabalho. Trabalho, todos os dias, com o objetivo para que no futuro possa contar com uma equipa com mais elementos, mais experiência, mais diversidade e mais conhecimento! Em dois anos chegámos às ilhas, a Espanha e a Cabo Verde. Tenho a certeza de que nos próximos anos chegaremos a muitos mais países pelo mundo fora. Afinal de contas, a incommun é de Viseu para o mundo.
O meu objetivo passará, sempre, por trazer mais experiência e sabedoria para a incommun e, consequentemente, para os clientes.